domingo, 25 de agosto de 2013

Campanha É da Nossa Conta!

Não deixe de conferir!!!!


Campanha É da Nossa Conta! ajuda a construir mobilizações para eventos deste ano


A campanha colaborativa É da Nossa Conta! 2013 apoia e tem como um de suas ações noticiar a mobilização da III Conferência Global. Isso vai acontecer por meio de um de seus objetivos centrais, que é incentivar o envolvimento da sociedade nos debates sobre o trabalho infantil e o trabalho adolescente protegido.
Assim, noticiar iniciativas que querem construir alternativas para caminhar em direção à erradicação do trabalho infantil, especialmente suas piores formas, é da nossa conta. A campanha volta especial atenção aos megaeventos que ocorrerão no Brasil (como a Copa do Mundo e as Olimpíadas de 2016), mostrar os cenários, de oportunidades e riscos, que se abrem nesse contexto.

Mas um grande destaque será dado à realização da III Conferência Global contra o Trabalho Infantil no Brasil, um encontro de grande amplitude para debater o tema. O objetivo da Conferência, uma realização dos ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), do Trabalho e Empego (MTE) e das Relações Exteriores (MRE), com apoio da Organização Social do Trabalho (OIT), é discutir os avanços no combate à exploração de mão de obra de crianças e adolescentes e os desafios para a eliminação das piores formas de trabalho infantil até 2016, meta definida em Haia, em 2010. Serão delegações de 193 países, entre representantes de governos, organizações de trabalhadores e empregadores e sociedade civil.

A Rede Promenino fará cobertura especial sobre o evento, que poderá ser acompanhada em nossa página de Facebook e no nosso Twitter. O É da Nossa Conta apoia e quer dar amplitude aos debates virtuais da Conferência Global e do IV Encontro Internacional.
Diálogos virtuais da Conferência: http://www.childlabourdialogues.org/
  



Fonte: 

CURSO PARA EDUCADORES QUE ABORDA O TRABALHO INFANTIL

Curso online para educadores que aborda trabalho infantil abre inscrições




Créditos: Mario Lopes Filho  

Juliana Sada, do Promenino com Cidade Escola Aprendiz
Estão abertas as inscrições para mais uma edição do curso Escola no Combate ao Trabalho Infantil (ECTI), voltado a educadores da rede pública de ensino fundamental. Realizado online, o curso é gratuito e tem duração de três meses, com carga de 60 horas.
O objetivo do curso é que os participantes ganhem formação para que possam mudar o modo como veem a questão do trabalho infantil e a percepção sobre qual é o papel deles enquanto educadores frente à questão.
A última edição do curso, realizada no primeiro semestre, contou com mais de dois mil educadores de todo o país. Para a professora Maria da Penha Dantas Reis Alves, de Vitória (ES), que fez a formação no primeiro semestre, o “curso é uma ferramenta muito importante para nós educadores, pois nos orienta e nos respalda a falarmos tanto do ECA, como dos prejuízos que o trabalho infantil causa na infância”.
Uma das atividades propostas era debater os temas do trabalho infantil e direitos das crianças e adolescentes junto aos alunos na escola. A professora Roseny Luiza Moro, de São Félix do Araguaia (MT), relata que ficou em dúvida se seus alunos, que têm entre 5 e 6 anos, absorveriam o debate, mas ficou surpresa com o resultado. “As crianças, mesmo em uma idade tão tenra, já sabem o que é melhor para elas e o que trará contentamento e satisfação quando forem pessoas adultas e, mesmo que não saibam pontuar verbalmente os males que o trabalho infantil provoca, elas apontam de uma maneira bastante poética qual a consequência que uma pessoa levará para a vida toda”, descreve Roseny.
Objetivos
O curso do ECTI busca contribuir com a implementação da lei 11.525/07, que determinou que os currículos do ensino fundamental incluam conteúdos sobre os direitos da criança e do adolescente. A formação também reforça o enfrentamento ao trabalho infantil, por meio da sensibilização e capacitação dos educadores.
Entre os conteúdos que serão tratados durante a formação, estão o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), a questão do trabalho infantil, o protagonismo infanto-juvenil e o Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente.
Durante o curso, serão disponibilizadas vídeos aulas com especialistas das diferentes temáticas. Há também atividades em chats e participação nos fóruns de debate.
Inscrições
Com início em 22 de agosto e término em 25 de novembro, o curso é composto por seis módulos. Para receber o certificado emitido pela Faculdade FIA de Administração e Negócios é necessário concluir todas as etapas. Para se inscrever no curso, basta preencher o formulário nesta página de cadastro. O curso está aberto a inscrições do Brasil inteiro, e tem uma reserva de vagas para interessados das regiões Norte e Nordeste.

CURSO DE INTRODUÇÃO AO ORÇAMENTO PUBLICO

divulgação

CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO - GRATUITOS

Boa notícia!
Agora os alunos do ILB podem participar de até
 02 CURSOS SEM TUTORIA SIMULTANEAMENTE.
Então, para quem se sentir preparado... bom estudo em dose dupla!
Informações sobre conteúdo, carga horária e inscrições no site:
Aberto ao público e gratuito.

BOAS VINDAS

Ola a todos,


Estou de volta, depois de um interno de 01 ano, que dediquei a chegada do meu bebê.

Vamos lá!!!!!!!!!!!!!!
Estou com saudades de tod@s.
Por favor, mandem material, sugestões e novas propostas.
Um forte abraço a tod@s

terça-feira, 22 de maio de 2012

CFESS Informa





Confira as novidades do site do Conselho Federal de Serviço Social
MAILING CFESS
Brasília, 18 de maio de 2012

CFESS lança manifesto sobre o Dia da Luta Antimanicomial

Documento destaca tema na agenda política da categoria e diz não para práticas sociais manicomiais e violadoras da liberdade  

“A Reforma Psiquiátrica é um processo que se inscreve numa dimensão ética, pois é também uma luta contra o estigma, a exclusão, a violência, a marginalização, e neste sentido propõe a convivência social na diversidade”. Este é um trecho do CFESS Manifesta alusivo ao Dia Nacional da Luta Antimanicomial, celebrado neste 18 de maio. O documento reafirma que a luta antimanicomial é parte da agenda política dos/as assistentes sociais no Brasil e que deve ser fundamentada em valores e práticas que levem, de fato, à superação das práticas sociais manicomiais e violadoras da autonomia e da liberdade emancipatória. 
Leia o CFESS Manifesta

Marcha reivindica aprovação de PL contra homofobia

Mobilização aconteceu em Brasília, no último dia 16. Assistentes sociais marcaram presença 
"Homofobia tem cura: educação e criminalização". Esta foi a chamada para a 3ª Marcha Nacional contra a Homofobia, que aconteceu na quarta-feira, 16 de maio, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (DF). A mobilização fez parte das atividades organizadas pela Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (ABGLT) pelos direitos LGBT e que terminaram no dia 17, quando se celebrou o Dia Mundial de Combate à Homofobia.
Saiba como foi a marcha

Conselho Federal reafirma posicionamento sobre o DSD
Em nota, CFESS faz análise histórica sobre o assunto nos debates do Conjunto 
Desde 2007, entrou para a agenda do Conjunto CFESS-CRESS o tema da "inquirição de crianças e adolescentes, vítimas de violência sexual", que resultou, em 2009, na Resolução CFESS n.º 554/2009, que veda a participação de assistentes sociais no depoimento sem dano, considerando não ser atribuição da profissão. Além disso, tal tema tem se mantido na nossa Agenda, conforme Deliberação do 40º Encontro Nacional, eixo Ética e Direitos Humanos, Deliberação 6.
Veja a nota completa

CFESS apoia luta em defesa de desaparecidos/as políticos/as da Ditadura Militar

Recusa do arbítrio e do autoritarismo estão na agenda do Serviço Social
Com a recente sanção da lei que criou a Comissão de Verdade pela presidente Dilma Roussef, a sociedade brasileira pôde ter uma ponta de esperança no processo de apuração das graves violações aos direitos humanos ocorridos durante o período da Ditadura Militar (1964-1985), razão pela qual foi criada. Em meio à discussão sobre o tema e sobre a nomeação dos/as integrantes da referida Comissão, o CFESS reitera a defesa da apuração rigorosa, do julgamento e da adequada punição para o que considera crimes comuns e não políticos.
Confira a matéria na íntegra  



Conselho Federal de Serviço Social - CFESS
Gestão Tempo de Luta e Resistência – 2011/2014
Comissão de Comunicação
Diogo Adjuto - JP/DF 7823
Rafael Werkema - JP/MG 11732
Assessoria de Comunicação
comunicacao@cfess.org.br